O corpo e o metabolismo humano são naturalmente diurnos, ou seja, a biologia do nosso foi projetada para se manter ativa durante o dia e descansar a noite.

O período de sono durante a noite varia de acordo com a idade de cada um, mas no geral a média seria de oito horas para um sono ideal. Contudo, se essa recomendação já se mostra difícil de ser exercida nos tempos atuais, onde a maioria das pessoas vivem vidas corridas, sem tempo a perder, mesmo com atividades necessárias, como o sono. E se dormir oito horas por noite, já se mostra uma recomendação quase impossível para muitas pessoas, imagine dormir 30 minutos durante a tarde.

Muitas pessoas acreditam que dormir após o almoço pode fazer mal a saúde ou simplesmente acreditam que dormir durante a tarde é um ato que remete a preguiça e ao ócio, por outro lado, essa prática gera algumas opiniões controversas, já que muitas pessoas não resistem em tirar um cochilo após o almoço.

Digestão e o sono

O cochilo pós refeição, conhecido como sesta, é uma recomendação médica baseada no comportamento do metabolismo humano após uma refeição, que costuma ficar mais lento.

Após uma refeição, o sistema do corpo inicia o processo de digestão, o que exige que o corpo produza nutriente, fazendo com o corpo conduza parte desses nutrientes produzidos para o sistema digestivo, o que diminui a produção de oxigênio para o cérebro, que acaba funcionando de forma mais lenta.

O próprio bicarbonato de sódio, presente na produção do suco gástrico, acaba afetando o metabolismo do corpo, causando no sangue a condição de Alcalose metabólica, também conhecida como maré alcalina pós-prandial. Todo esse processo acaba afetando o funcionamento do cérebro, deixando-o mais lento.

O tipo de alimento consumido durante as refeições também pode deixar o cérebro mais lento. Alimentos com alto índice de açúcares acabam elevando a quantidade de glicose no sangue, o que também afeta o funcionamento do cérebro.

Especialistas afirmam que, apesar do desconforto, a sonolência pós-refeição é natural, inclusive em outras espécies animais.

O que deve ser feito

Especialistas não apenas afirma que a sesta é normal, como também pode trazer benefícios para a saúde e, diferente do aparenta, um dormir após o almoço não deixa a pessoa mais preguiçosa e indisposta, pelo contrário, deixa o indivíduo mais disposto para as atividades do período da tarde.

O ideal seria que cada pessoa pudesse dormir por um período de 15 a 40 minutos após o almoço, para que dessa forma o corpo possa fazer uma digestão melhor, sem que atrapalhe o desempenho do indivíduo.

Ao despertar da sesta, a pessoa vai se sentir mais motivada e revigorada, ao invés de passar o restante da tarde sonolenta.

 

O que deve ser evitado

Apesar da sesta ser uma recomendação viável, especialistas afirmam que o sono da tarde não pode passar dos 40 minutos, já que dormir por tanto tempo pode ser prejudicial para o desempenho, pois o corpo pode acabar entrando em estado de sono profundo, causando o despertar seja como em uma situação de sono noturno, ou seja, seria como se a pessoa tivesse acabado de despertar pela manhã, a mesma sonolência matinal iria prevalecer.

Os médicos lembram que a sesta não pode ser considerada uma substituição do sono noturno, apesar que pessoas que possuem dificuldade de dormir à noite podem sim utilizar da sesta como uma espécie de complemento da noite mal dormida.

Vale lembrar também que a sesta deve ser realizada em um intervalo de pelo menos 30 minutos após o almoço, pois a posição e o estado de sono podem causar má digestão e azia.

 

A sesta no ambiente de trabalho

Muitas empresas ao redor do mundo oferecem a seus funcionários um horário de almoço estendido, justamente para que a sesta possa ser realizada diariamente. Por isso, em cidades como Madri, na Espanha, não é incomum encontrar estabelecimentos fechados no início da tarde.

No Brasil, a prática é comum em alguns estados, como em Sergipe e no Pará, contudo, por ser uma recomendação médica, a sesta deveria ser um hábito comum em outros estados, principalmente nos grandes centros comerciais do país, como em São Paulo.

O crescimento da prática aumentaria o rendimento dos trabalhadores de diversas empresas, contudo, algumas empresas, como os estabelecimentos comerciais por exemplo, poderiam ter prejuízos com longos intervalos no período da tarde. Isso sem contar com o fato de muitas pessoas ainda associarem a sesta com preguiça e ócio.

Apesar de todas as opiniões contrárias sobre a sesta, o que todos concordam é que, independente do horário, o período de sono deve ser realizado de maneira adequada e com o colchão certo.

Consulte o catálogo da Portobel, onde você encontra as melhores opções do mercado.

Os sonhos são uma das características mais interessantes da mente humana. Chega a ser um grande mistério imaginar a capacidade da mente projetar imagens, no momento em que o cérebro estiver em um estado de repouso.

Os sonhos fazem parte de um imaginário popular, sendo citados em registros antigos e até mesmo passagens bíblicas, como na de José do Egito, realçando a noção de importância dos sonhos, que já instigam os conceitos de personalidade humana e popularizando o misticismo da previsão e suas possibilidades.

Mesmo dentro de conceitos mais científicos, os sonhos atiçam a curiosidade e as possibilidades, como é mostrado na obra cinematográfica “A Origem” (Inception, 2010), dirigido por Christopher Nolan, onde os sonhos são utilizados como porta de entrada para mente o subconsciente das pessoas. O longa também aborda as possibilidades de se viver em sonho constante, em um mundo onde tudo é possível, um mundo inteiramente particular, onde o real e o irreal se misturam tornando, causando dependência e depressão.

O fato é que os sonhos são atiçam a curiosidade e a compreensão das pessoas, por isso selecionamos algumas informações interessantes explicando os motivos das pessoas sonharem e outras curiosidade.

A ciência:

Os sonhos nada mais são do que o processo de pensamento, mas que acontece durante a noite e, normalmente, reflete as imagens das quais a pessoa tem pensando durante o dia, quase como um diário e forma de imagens.

Contudo, é comum as pessoas sonharem com algo desconhecido ou pouco lembrado, como quando sonhamos com alguém aleatoriamente, alguém que nem lembramos da existência. Não se sabe com exatidão o motivo desse tipo de coisa acontecer, mas não é nada anormal, e o mais provável é que o subconsciente acessou, de forma involuntária, alguma memória relacionada a aquela pessoa.

A ciência explica os sonhos são comuns em todas as espécies de mamíferos, mesmo os mais primitivos.

Recentemente foi descoberto que até mesmo bebês ainda no ventre das mães sonham, contudo, é impossível saber com o que eles sonham, já que não possuem qualquer estímulo ou memória visual.

As pesquisas na área do sono também explicam que todas as pessoas sonham todas as noites, inclusive, é comum que cada pessoa sonhe até sete vezes em uma única noite. Contudo, é muito difícil lembrar dos sonhos, já que, normalmente as pessoas tendem a despertar aos poucos e sem pressa, de forma mais natural.

Diferente do que ocorre quando a pessoa está no estado de sono “Rapid Eyes Movement” (Movimento rápido dos olhos), ou simplesmente “Sono REM”. No estado de REM, o sono é mais pesado e os sonhos acabam sendo muito mais vividos. Quando uma pessoa em estado de REM desperta de forma abruptamente, o sonho vivido é interrompido justamente em sua forma mais realista, ou seja, na hora que a pessoa acordar, ela vai lembrar deste sonho com uma grande riqueza de detalhes. Como quando sonhamos que estamos caindo e repentinamente acordamos, o que causa uma sensação de desconforto muito grande, mas é normal e nenhum pouco prejudicial.

O misticismo:

Os sonhos fazem parte do imaginário popular a séculos, e durante esse tempo, muitas crenças e mitos em torno dos sonhos foram criada e são constantemente discutidas, como por exemplo a possibilidades de os sonhos possuírem significados diversos, que podem até mesmo ser considerados como previsões para o futuro.

Muitas pessoas interpretam o sonho de estar caindo como um sinal de ansiedade e perda do controle da própria vida. Assim como sonhar com a perda dos dentes, que remete não apenas à ansiedade, como também ao medo da velhice.

Sonhar com água é considerado como um sinal de manifestações de emoções. Como se a forma da água representasse um estado sentimental da pessoa. Por exemplo, água calma, como as de uma piscina, remete paz e tranquilidade na vida, enquanto que um mar agitado pode indicar uma perturbação na forma na paz interior, como uma raiva, uma angústia ou um medo.

Existem pessoas que vão além dos significados e acreditam que os sonhos podem ser sinais preventivos para o futuro. Neste caso, o espírito de cada pessoa consegue se desprender do corpo durante o sono, estando livre para viajar através de planos espirituais, o que possibilitaria o contato do espírito com entidades mais evoluídas, que podem fornecer revelações sobre acontecimentos futuros.

Quando esse tipo de coisa acontece, a pessoa acorda com uma espécie de recordação, uma espécie de “lembrança do futuro”.

Claro que, apesar de interessantes, estas teorias têm como base o misticismo, e sua credibilidade vai de acordo com a crença de cada um.

O mais importante sobre os sonhos, é que eles só são possíveis através de uma boa noite de sono, mas isso por sua vez só é possível com o equipamento adequado.

No catálogo da Portobel você encontra os melhores preços de colchões, tudo para garantir ótimos sonhos.

Os benefícios à saúde, física e psicológica, proporcionados por hábitos de sono adequados são inúmeros, como a redução dos níveis de estresse, controle dos hormônios de apetite, estímulo de raciocínio, e até mesmo o rejuvenescimento da pele.

Por esses motivos, é sempre muito importante manter o sono em dia, para isso é necessário manter uma dieta saudável, uma rotina fixa e uma forte disciplina mental, além de todo o equipamento essencial básico, que podem se resumir em colchão e travesseiro.

Tratar o hábito de dormir com mais seriedade é o primeiro passo para se adquirir todos esses benefícios proporcionados pela saúde do sono.

O que muitas pessoas desconhecem, é que o hábito de dormir bem pode ser muito benéfico para a memória.

Para ajudar a trabalhar melhor o sono, de forma que contribua para um melhor funcionamento da memória, separamos algumas dicas importantes.

 

Frequência do sono:

Quando se fala em “qualidade de sono”, muitas pessoas, automaticamente, pensam em “falta de sono”, entretanto, o que muita gente não sabe, é que nem sempre uma coisa tem relação com a outra.

Dormir menos que o recomendado, normalmente sete horas por dia, pode ser bastante prejudicial, mas dormir muito também é, principalmente na fase adulta, quando precisamos manter uma rotina bem estabelecida de sono, nem muito mais nem muito menos do que as sete horas recomendadas pelos especialistas, pois ultrapassando ou não alcançando esse tempo, a  danos na memória pessoa pode, entre outros infortúnios, sofrer com alguns problemas de memória.

Especialistas comentam que a rotina de sono pode alterar os níveis da pressão arterial, fazendo com que os vasos sanguíneos se estreitam, o que diminui o fluxo de sangue no cérebro. Com o fluxo de sangue menor, fica mais difícil o sistema do corpo levar os nutrientes até o cérebro, que necessita de oxigênio e açúcar para o melhor funcionamento, afetando diretamente a parte do cérebro responsável pela memória.

Dormir menos do que o indicado, pode acarretar no aumento de beta amiloide, uma proteína do cérebro. A presença dessa proteína pode não apenas causar perda e memória, como também pode comprometer o raciocínio lógico e, em casos mais graves, acarretar em desenvolvimento de demência, aumento de risco de desenvolvimento de doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabete tipo 2 e até mesmo depressão. 

Outra característica recorrente na relação entre sono e a memória é a idade de cada um, pois problemas de memória já podem ser comuns nas pessoas a partir de uma determinada idade, independentemente da qualidade do sono.

Vale lembrar que problemas de memória podem ser confundidos com sonolência, mesmo que uma coisa não esteja diretamente relacionada com a outra, porém, podem ter a mesma origem, já que uma pessoa que dorme menos que o recomendável, obviamente, vai sofrer com sonolência durante o dia, mas a pessoa que excede o tempo de sono, também pode ficar sonolenta, mesmo que em um nível menor.

 

Criando uma rotina:

Para se criar uma rotina de sono produtiva, especialistas aconselham o básico: determinar o horário específico e fazer de tudo para segui-lo. Contudo, para se dormir, é preciso ter sono, e uma boa estratégia para isso é evitar dormir durante o dia, se possível, evitar até mesmo ficar deitado durante o dia, para que dessa forma o sono aconteça da forma mais natural e rápida possível.

O importante é dormir quando se tiver sono, portanto, caso a pessoa tenha dificuldade para dormir, o recomendado é que ela não insista. A recomendação é levantar e se dirigir para um local da casa com iluminação fraca, mas nada de visor de celular ou monitores de TV e computador, pois a luz emitida por esses aparelhos atrapalha a visão e confundem o metabolismo, dificultando o sono ainda mais. A pessoa deve ficar sozinha e sentada até que o sono venha.

Pessoas que fazem atividade física e que mantém uma boa alimentação, possuem uma facilidade maior para pegar no sono, possibilitando uma maior facilidade para seguir a rotina de sete horas de sono.

 

Entretanto, nenhuma dica é mais importante do que saber escolher um colchão adequado para seu corpo.

Acesse o catálogo da Portobel, onde você encontra as melhores opções de colchões para melhorar ainda mais a sua rotina de sono.  

Apesar de ser um hábito simples e necessário, muitas pessoas têm dificuldades para dormir. Justamente por isso, muitos profissionais estudam diversas maneiras de melhorar o sono da população.

Existem diversas formas de facilitar o sono, desde técnicas e hábitos, de forma que o sono se torna o mais natural possível. Esses hábitos vêm desde a alimentação, até mesmo práticas de determinados exercícios, meditação e posições.

A organização das atividades diárias através de rotinas pré-estabelecidas também são uma forma de se alcançar uma boa noite de sono.

Contudo, nada é mais importante que o equipamento adequado. Uma cama, um colchão, um edredom e um travesseiro, que é um item bastante subestimado, muitas pessoas acreditam que o travesseiros são itens secundários e desnecessários, mas a verdade é que eles cumprem uma função muito importante para o sono, já que apoiar a cabeça na hora de dormir, pode fazer toda diferença na qualidade do sono.

Para ajudar a escolher as melhores opções, selecionamos algumas dicas de tipos de travesseiro e suas funcionalidades:

Penas e plumas:

Considerados os travesseiros mais caros e sofisticados de todos, os travesseiros deste tipo são feitos com penas e plumas de ganso da raça “embden”, oriunda da região do Mar do Norte, dos Países Baixos e da Alemanha.

Muitas pessoas confundem pena com pluma, e de fato os dois materiais são parecidos e tem origem do mesmo animal.

As penas, como já é de se imaginar, são as hastes grandes e bem desenvolvidas que são retiradas das asas e da cauda do animal.

As plumas seriam como penas, mas pequenas. Elas são usadas no travesseiro em porções, como várias delas juntas. As plumas são retiradas da barriga, peito e dobras abaixo das asas do ganso.

Além de maciez, o que garante que o travesseiro se molde ao corpo da pessoa, independentemente da posição, travesseiros de penas e plumas de ganso, indiretamente contribuem para a redução de rugas, já que o ajuste perfeito que tem com o corpo elimina os pontos de pressão.

A qualidade desses travesseiros também se reflete na resiliência, pois consegue receber pressão de até 80 mil vezes o seu peso, e ainda manter o mesmo formato. Também são muito duráveis, e quando bem cuidados, podem chegar a 10 anos de vida útil.

Travesseiros de penas e plumas também podem manter o equilíbrio da umidade em relação ao ambiente, ou seja, não esquentam e nem esfriam. E como se já não fosse suficiente, eles também são biodegradáveis.

A única desvantagem desses travesseiros é que as penas podem ser um ambiente propício para o desenvolvimento de fungos e bactérias. Por isso é importante se atentar se o produto passou pelo processo de proteção antimicrobiana.

Espuma de Látex:

Diferente da tradicional, a espuma em látex possui uma série de perfurações, fazendo com que o ar ventile por dentro do travesseiro, o que além de resfriar o item, também diminui as chances de fungos, ácaros e bactérias.

A fibra natural, que é extraída diretamente da seringueira, dá ao travesseiro características de conforto e um toque aveludado, fazendo com que ele mantenha seu formato por muito tempo, mesmo depois de receber bastante peso.

Espuma de poliuretano:

O poliuretano (PU), também conhecido como “espuma compacta”, é um polímero formado por unidades de uretano ou carbonato, que é usado na fabricação de espumas rígidas e flexíveis. A principal característica dos travesseiros feitos deste material, é que eles são firmes, alterando pouco o seu formato mesmo com o peso da cabeça.

Se formato mais resistente faz dele uma ótima pedida para quem dorme de lado, pois um travesseiro mais firme impede que a cabeça fique muito baixa e desalinhada com a coluna, o que normalmente acontece com travesseiros muito macios.

O ideal é que pessoas que dormem de lado mantenha a inclinação da cabeça em um ângulo de 90 graus, de forma que a cabeça não fique nem muito baixa e nem muito alta e os travesseiros de espuma poliuretano são perfeitos.

Contudo, a exposição direta ao poliuretano pode ser prejudicial para pessoas que sofrem de problemas relacionados à tireoide, pois o material é revestido por retardadores de chama, que podem interferir no funcionamento da glândula. Na ausência desses retardadores, o poliuretano se torna um material altamente inflamável.

Espuma viscoelástica:

Também conhecido como “travesseiro da NASA”, os produtos feitos a partir da espuma viscoelástica são caracterizados por sua estrutura automoldável, ou seja, se adaptam ao contorno da cabeça, marcando o contorno em sua superfície. O material viscoelástico não é nem muito macios, pois não permite que a cabeça afunde por completo, e nem muito firmes, o que deixaria a cabeça muito alta.

O material dos travesseiros de espuma viscoelástica também são termossensíveis, ou seja, adaptáveis à temperatura da cabeça, não sendo nem muito frios e nem muito quentes.      

Por ter se tornando um travesseiro bastante popular e com preços acessíveis, é muito fácil encontrar “versões alternativas” e falsificações.

Flocos de espuma:

São o tipo mais comum encontrado no mercado. Esses travesseiros são fabricados com espuma padrão, mas cortada em pequenos pedaços, de forma que o material fique espalhado no interior do produto, deixando o travesseiro mais macio e facilitando a circulação de ar em seu interior.

A maior desvantagem está na distribuição interna dos flocos de espuma, que, quando mal colocados, podem se espalhar para os lados, o que faz com que a cabeça afunde, deixando-a desalinhada do pescoço.

Microfibra:

Também conhecido como poliéster, esse tipo de produto é uma boa opção para quem não gosta de travesseiros pesados, pois estes são flexíveis e leves, mesmo que ainda mantenham uma certa resistência.

Apesar de confortáveis, os travesseiros de microfibra carregam uma desvantagem considerável: esquentam muito. Isso acontece devido ao material sintético de sua composição, que absorve o calor transferido pela cabeça e pelo corpo, aquecendo progressivamente.

Espuma com molas:

Este é provavelmente o travesseiro menos conhecido do mercado, contudo, carrega algumas vantagens interessantes.

Sua estrutura interna, composta por molas e espuma, permite uma maciez considerável, mesmo que não altere seu formato tão facilmente. Sua resistência garante uma vida útil maior que a maioria dos travesseiros.

Contudo, seu maior diferencial está nos benefícios para saúde, principalmente para quem sofre de alergia a poeira e ácaros, pois seu material é totalmente antiácaros, fungos e bactérias.

Agora que você conhece todos os tipos de travesseiros, não deixe de acessar o catálogo da Portobel, onde você encontra as melhores opções de colchões e travesseiro do mercado.

Além de serem fontes de nutrientes essenciais para sobrevivência e fortalecimento do corpo humano, os alimentos podem também causar determinadas reações em quem os ingere.

Existem, por exemplo, alimentos que, devido a sua composição química, são ricos em nutriente benéficos à pele, como alguns frutos secos, carnosos e uvas. Da mesma forma que também existem aqueles alimentos que podem causa um efeito contrário, deixando a pele oleosa, como alguns laticínios, cereais e carnes.

Além agirem diretamente na saúde das pessoas, e influenciarem em determinadas caraterísticas físicas, o consumo de alimentos específicos pode também ajudar a alterar alguns comportamentos, como as bebidas alcoólicas e os adoçantes artificiais, que, indiretamente, podem contribuir em deixar a pessoa mais deprimida, ao contrário do chocolate e do salmão, que agem como estimulantes de bem-estar.

O que muitas pessoas não sabem, é que também existem muitos alimentos capazes de influenciar na disposição do corpo, deixando a pessoa mais ativa ou mais sonolenta.

Separamos aqui alguns exemplos desses alimentos, tanto os estimulantes, quanto os calmantes.

ALIMENTOS ESTIMULANTES:

São aqueles alimentos que contribuem para os estímulos físicos do corpo, ou seja, ajudam a pessoa a se manter acordada. A ingestão desses alimentos pode ser muito útil para se manter com energia durante o dia, ou mesmo durante momentos em que a pessoa não pretende dormir, como em uma noite de estudos ou de festa.

A ingestão desse tipo de alimentos em grande quantidade ou em horários desregulados, podem trazer malefícios ao sono, deixando o indivíduo agitado e contribuindo com uma possível insônia, por isso o recomendável é que esse tipo de alimento não seja ingerido por pelo menos três horas antes de dormir.

Outro agravante é o fato de o consumo excessivo desses alimentos pode causar estresse e ansiedade, devido ao alto valor energético, deixando as pessoas mais agitados que o normal.

Por causar uma sensação prazerosa ao proporcionar uma sensação de disposição, o consumo excessivo e diário desses alimentos pode causar um pequeno nível de dependência.

Os principais alimentos estimulantes:

  • Café: Esse é um exemplo bastante conhecido. A cafeína, também presente em outros alimentos, age diretamente no sistema de vigília do cérebro.
  • Chá: Apesar de muitos chás possuírem o efeito reverso, o chá verde, por exemplo, funciona no organismo da mesma forma que o café.
  • Chocolate: Muitas pessoas não sabem, mas muitos chocolates possuem cafeína em sua composição.
  • Gengibre: O alimento possui propriedade energéticas que que atuam diretamente no sistema nervoso, deixando o indivíduo com mais disposição.

ALIMENTOS CALMANTES:

Estes são alimentos que possuem efeitos contrários aos alimentos estimulantes, ou seja, o consumo destes alimentos pode alterar a disposição do organismo, fazendo com que a pessoa fique mais relaxada, possibilitando até mesmo um sono melhor. 

Entretanto, da mesma forma que os alimentos estimulantes podem provocar insônia, quando consumidos em excesso, alimentos calmantes podem provocar sono fora de hora e indisposição.

Os principais alimentos calmantes:

  • Abacate: Rico em magnésio e betasitosterol, substância que controlam o nível de cortisol, hormônio que deixa o corpo em ritmo acelerado.
  • Alface: Contém lactucina, substância que contribui para manter o corpo mais calmo, desde que consumido com um pouco mais de excesso. A substância normalmente se encontra no caule da verdura.
  • Chá de camomila: É rico em lactonas e alfa bisabolol, substâncias que possuem efeito calmante.
  • Maracujá: A fruta possui uma substância conhecida como passiflora, que faz do maracujá um verdadeiro sedativo natural.

Vale lembrar que alguns alimentos podem causar uma sensação de sonolência, mas não por serem calmantes naturais, e sim por serem considerados pesados, o que exige mais do organismo para realizar a digestão, deixando a pessoa com indisposição, e, consequentemente, sonolenta.

Doces e laticínios são exemplos de alimentos pesados que podem causar sonolência quando consumidos em grande quantidade.

Carboidratos também podem causar sonolência, mas normalmente acontece quando consumido em excesso durante uma única refeição, como quando comemos aquele prato grande de feijoada ou de macarrão.        

 

Agora que você tem as dicas da alimentação ideal para um sono mais tranquilo, você só precisa se atentar ao mais importante, um colchão ideal. Para isso, consulte o catálogo da Portobel, onde você encontra o colchão certo para você pelo melhor preço.