Mesmo que muitas pessoas não levem a sério, o fato é que o sono é uma necessidade básica do ser humano. É através de uma boa noite de sono, que a pessoa descansa e relaxa o corpo, o que parece ser apenas um detalhe na vida cotidiana, mas muitos especialistas reafirmam a importância do sono e os benefícios que isso traz para saúde individual de cada um.

O problema é que muita gente acredita que o sono é uma necessidade que pode ser exercida de qualquer maneira, pois quando se tem sono, é possível adormecer em qualquer lugar e de qualquer maneira.

Entretanto, especialistas afirmam que existem diversos hábitos cotidianos que podem, de forma direta ou indiretamente, atrapalhar o sono saudável. Seja uma alimentação irregular, seja o cansaço, seja a procissão ou mesmo o som ambiente. 

Todos os problemas relacionados ao sono possuem tratamento, e muitos deles podem ser resolvidos com simples mudanças de hábito.Contudo, de nada adianta possuir todas as condições possíveis para dormir melhor, se não possuir um colchão apropriado com o peso, tamanho e todo a estrutura de um corpo, ou seja, existe um colchão adequado para cada pessoa, só é necessário saber procurar.

Tipos de colchão:

Existem quatro tipos de colchão que podem apresentar diferentes objetivos:

  • Colchão de espuma:

O colchão de espuma é o mais simples e barato do mercado, por isso ele acaba sendo o mais vendido. Devido ao material de sua composição, que basicamente é feita de diisocianato de tolueno e poliol, que são misturados com água, causando uma reação química que gera a espuma do colchão. Como a espuma possui um fácil manuseio, é possível se estabelecer a densidade do colchão de forma fácil e precisa. Normalmente, os colchões de espuma variam entre de 23 a 60 de densidade.

Colchões de espuma costumam ter uma durabilidade de até oito anos, dependendo da qualidade do material.

  • Colchão com espuma de memória:

A espuma aqui passa por um processo de diferente, o que acaba dando a espuma um aspecto macio e firme ao mesmo tempo. É o famoso efeito “NASA”, já bastante popular nos travesseiros. Esse material é bastante confortável e é caracterizado pelo efeito em que a pessoa deita e sua marca fica afundada. Apesar de bastante procurados, os colchões com espuma de memória são bastante sensíveis a temperatura, ou seja, não são boas opções para quem sente muito calor a noite.

  • Colchão de mola ensacada:

São aqueles colchões que possuem seu interior cheio de molas helicoidais, que ficam todas em procissão vertical. Cada mola é ensacada individualmente, impedindo que a mola se solte e saia do colchão. A distribuição das molas contribui para um conforto, pois cada mola acaba atingindo um ponto de apoio do corpo. Vale lembrar que o corpo não possui tantos pontos de apoio que justifiquem a compra de um colchão com uma grande quantidade de molas.

Colchões de mola podem ter uma durabilidade bastante extensa, de até 15 anos.

  • Colchão de mola bonnel:

  • Este é o colchão de mola mais tradicional. Todo o seu interior é montado por uma estrutura de molas interligadas. Apesar de serem bastante confortáveis, os colchões de mola bonnel não são muito recomendados para casais, pois devido às suas molas interligadas, um lado do colchão reflete o movimento feito do outro lado.

Densidade e maciez:

Quando procuram um colchão, as pessoas costumam priorizar a maciez, pois muitos acreditam que esse seja o sinônimo de conforto, contudo, muitos especialistas recomendam comprar um colchão de acordo com a densidade, já que a maciez pode ser uma armadilha, pois um colchão muito macio pode não dar a sustentação necessária na hora do sono, fazendo o corpo afundar no colchão, o que deixa a coluna em posição desfavorável, acarretando em dores.

A recomendação médica é a de que cada colchão seja escolhido através da densidade apropriada de acordo com o corpo de cada um. Quanto mais alta e pesada a pessoa, mais denso deve ser o colchão. Por exemplo, pessoas com até 1,50 e com até 70 quilos, devem procurar um colchão com medida de densidade 28. Já pessoas com mais de 1,90 e que pesam entre 121 a 150 quilos, devem procurar algo mais denso, com pelo menos 40 de densidade.

No caso de casais, os especialistas recomendam que a densidade seja escolhida a partir das medidas de altura e peso do indivíduo mais pesado.

 Com todas as recomendações em mãos, é só procurar pelo colchão adequado. A linha de colchões da Portobel oferece as melhores opções para o seu sono. Conheça nossos produtos e encontre o colchão ideal para você.

O sono é uma necessidade básica do ser humano. É através de uma boa noite de sono, que o ser-humano descansa e relaxa o corpo, o que parece ser apenas um detalhe na vida cotidiana, mas muitos especialistas reafirmam a importância do sono e os benefícios que isso traz para saúde individual de cada um.

Contudo, existem diversos problemas que podem atrapalhar a saúde de sono, como a insônia. Fora muitos outros fatores relacionados ao sono e que também podem trazer malefícios a saúde, como a posição na hora de dormir, a quantidade de horas dormidas, a respiração durante o sono, entre outros.

A sonolência excessiva é um dos problemas mais comum relacionado ao sono, mas ainda assim é pouco levado a sério pela população, pois muitas pessoas acreditam que sonolência diurna seja normal.

Apesar de alguns bocejos durante o horário de trabalho, ou mesmo aquele cochilo no ônibus ser bastante comum, o fato é que sonolência constante fora do horário de dormir, pode ser muito mais sério do que se imagina e pode oferecer consequências graves, como a falta de foco, a desânimo e procrastinação.

Dentre as causas possíveis da sonolência diurna, destacamos algumas que valem a pena ser discutidas.

FALTA DE SONO:

O motivo mais óbvio que pode levar a sonolência diurna excessiva é a falta de sono e descanso durante os horários apropriados. Normalmente, isso acontece devido ao excesso de trabalho, o que é comum na fase adulta das pessoas.

Embora uma rotina de trabalho desregulada seja o principal motivo para a sonolência diurna, muitas vezes a pessoa não entende o funcionamento do próprio corpo, e acaba insistindo em dormir menos tempo que o necessário durante a noite. O corpo cansado acaba refletindo o sono durante horários inapropriados.

ALIMENTAÇÃO:

Muitas pessoas tem a sensação de sentirem sono após fazer uma refeição, como se o corpo ficasse mais sonolento. Essa sensação é real.

Muitos especialistas afirmam que determinados alimentos podem causar sonolência após serem ingeridos, seja pela composição do alimento quanto pela quantidade.

O alimento pode reagir forma diferente dependendo do organismo, por isso é difícil saber quais são esses alimentos. O ideal é que o médico especialista prescreva uma dieta especial baseado no organismo do indivíduo.

 

RELÓGIO BIOLÓGICO:

A falta de regularização no relógio biológico, também conhecido como ritmo de circadiano, também podem acarretar em sono fora de hora. Isso normalmente acontece com pessoas que não possuem rotinas de sono estabelecida, ou seja, não tem um horário certo para ir dormir ou para acordar.

Pessoas que viajam muito também podem acabar com a regularização do relógio biológico. Isso acontece por causa do fuso horário, que confunde o relógio biológico. 

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS:

A apneia é uma doença respiratória que pode ter responsabilidade direta com a sonolência diurna. A enfermidade faz com que o corpo dê pequenas pausas na respiração durante o sono, sem que o indivíduo perceba. Isso faz com que a qualidade do sono seja comprometida e a pessoa desperte pela manhã ainda sonolenta, já que não descansou o suficiente durante a noite.

A pessoa que sofre com a apneia passa o dia inteiro se sentindo cansada, o que pode resultar em pequenos cochilos durante o dia, comprometendo o desempenho no emprego por exemplo.

O tratamento pode variar entre algumas medidas simples, como a redução do consumo de álcool, e vão até mesmo tratamento de cirurgia nasal, mas tudo depende do caso.

Como se a sonolência diurna e os problemas respiratórios já não fossem o suficiente, a apneia do sono também pode causar ronco.

 

OUTRAS DOENÇAS:

Existem uma série de doenças que também podem causar sonolência fora de hora, como por exemplo a síndrome crônica de fadiga que é rara, e aparentemente não causa muitos prejuízos na saúde, além do fato de causar um cansaço repentino e dores nos músculos e articulações, de forma que o indivíduo se sinta cansado durante o dia.

Outra doença bastante curiosa e perigosa é a narcolepsia, que não somente causa sono durante o dia, mas faz com que o indivíduo simplesmente durma, de forma repentina, mesmo em situações que exigem atenção total, como dirigir.

A síndrome das pernas inquietas também é uma doença associada em consiste em uma “necessidade” que o corpo sente em mexer as pernas durante a noite, fazendo assim com que a pessoa já acorde cansada, devido ao esforço feito pelos movimentos involuntários.

 

Todos esses problemas possuem tratamento recomendações, que podem variar dependendo das condições individuais de cada um, por isso é importante sempre consultar um médico especializado.  

A dica mais recomendável para quem procura melhorar o sono é ter um colchão recomendável. A linha de colchões da Portobel oferece as melhores opções para o seu sono. Conheça nossos produtos e encontre o colchão ideal para você.

Dormir de forma confortável e saudável depende de uma série de fatores que vão além de simplesmente vestir um pijama e deitar. Existem diversas técnicas que podem ser usadas para se alcançar uma boa noite de sono.

Mudar de posição costuma ajudar muito na hora de dormir, ao mesmo tempo que também pode atrapalhar. Dormir em uma posição desconfortável, pode ocasionar em dores musculares, nos membros e na cabeça, além da sensação de sono forçado, quando sentimos que não dormimos muito bem.

Muitas pessoas não levam a sério a importância de dormir bem, e muitas vezes acabam se acostumando com formas erradas de dormir.

Para ajudar a dormir de forma mais confortável, separamos algumas dicas úteis sobre as melhores posições na hora de dormir.

DORMINDO DE LADO:

Talvez essa seja a posição de sono mais comum, pois consiste basicamente em procurar algum lugar para se escorar, que é a primeira ação que uma pessoa busca quando está cansada.

Além de ser uma posição confortável, dormir de lado é considerada a melhor posição para o sono, pois além de manter a coluna mais alinhada, o que ajuda para uma melhor postura e evita dores nas costas, a posição também beneficia a circulação do sangue pelo corpo, já que os pés e a cabeça ficam na mesma altura do coração. Uma melhor circulação permite que o corpo funcione melhor durante o sono, evitando que a pessoa acorde no meio da noite.

Para ajudar a dormir de lado, é necessário um travesseiro a altura do ombro, para que dessa forma a cabeça não fique inclinada, o que pode ocasionar em dores no pescoço. Outra dica curiosa é colocar um travesseiro também entre as pernas levemente flexionadas, de forma a alinhar os joelhos ao tronco, o que pode melhorar a postura.

Um travesseiro muito baixo, pode fazer com que o corpo, mesmo que de forma involuntária e instintiva, tente esticar o braço para cima e usá-lo como apoio. Isso pode fazer com que o braço e o ombro amanheçam doloridos, além de também poder causar bursite e tendinite.

Apesar das dicas, o ideal é que a posição seja exercida da forma mais natural possível. Não adianta tentar forçar a posição e desrespeitar as curvas naturais do corpo.            

DE BARRIGA PRA CIMA:

Apesar de parecer a posição mais correta, devido a obviedade da forma como deitamos, dormir de barriga para cima não é muito indicado pelos especialistas, já que a coluna nem sempre fica posicionada de forma adequada, o que pode facilitar problemas de postura e dores nas costas.

A posição também pode levar a problemas respiratórios, como a apneia e o ronco. Isso acontece por causa do posicionamento da língua, que acaba indo para trás da boca.

Contudo, a posição é muito boa para evitar dores e torções, já que dormir de barriga para cima ajuda a relaxar as articulações.

Uma ótima dica para quem dorme nessa posição é utilizar um travesseiro baixo, para que dessa forma a evitar uma tensão na musculatura cervical.

Assim como quando se dorme de lado, utilizar um travesseiro nas pernas também é útil, mas quando se dorme de barriga pra cima, o ideal é colocar o travesseiro embaixo dos joelhos, de forma que as pernas fiquem levemente flexionadas. Isso ajuda a relaxar os músculos da lombar e das coxas.

Quando se dorme de barriga para cima, é importante posicionar os braços para baixo do corpo ou sobre o abdômen, desde que de forma leve, para não causar problemas respiratórios. Dormir com os braços para cima do corpo pode ocasionar em desconforto durante a noite.    

COMO NÃO DORMIR:

De acordo com especialistas, a pior posição para se dormir é de bruços. A posição em si já faz com que a coluna fique completamente reta, mas de forma forçada, o que pode trazer agravantes às costas. A posição também pode trazer agravantes ao pescoço, que fica torcido cerca de noventa graus. O uso de um travesseiro embaixo da cabeça também pode trazer problemas significativos, pois além de torcido, o pescoço fica muito estendido, o que pode causar dores cervicais.

No geral, dormir de bruços pode causar problemas cervicais, dores nos ombros, bursite, tendinite e dores nas costas. A posição pode ser prejudicial até mesmo para os dentes, já que a pressão causada na fase, pode favorecer para que os dentes se entortem, o que piora caso a pessoa coloque o braço por baixo do travesseiro.   

Especialistas também lembram da dificuldade de se adaptar a uma nova posição, pois muitas vezes o corpo se acostuma a dormir de uma determinada forma, mesmo que seja essa posição traga algum tipo de prejuízo à saúde. 

O ideal seria tentar se adaptar aos poucos, e ir tentando usar a nova posição a cada noite de sono, até que o corpo enfim se acostume.

Além de uma posição confortável, a dica mais recomendável para quem procura melhorar o sono é ter um colchão recomendável. A linha de colchões da Portobel oferece as melhores opções para o seu sono. Conheça nossos produtos e encontre o colchão ideal para você.

Confira o nosso catálogo!

Durante toda a vida, o ser-humano muda muito. A rotina cotidiana de altera de acordo com a faixa etária, quando criança, as responsabilidades são mínimas, sobrando tempo para muitos afazeres menos importantes e para o lazer. Na fase adulta, as responsabilidades tomam conta da vida, fazendo com que muitas vezes a pessoa se preocupe demais e viva de menos. Na velhice, considerada a melhor idade, a pessoa vive a época de “colher os frutos de seu trabalho”, mesmo que muitas vezes falte disposição para isso.

Por questões de saúde, essas mudanças que ocorrem no decorrer da vida das pessoas devem ser acompanhadas por mudanças de hábito correspondentes. Como na alimentação, atividades físicas e o sono.

Nos últimos anos, pesquisadores e estudiosos constataram que a carga horária de sono deve ser de acordo com a faixa etária do indivíduo, justamente para obedecer às mudanças de rotina que acontecem com o decorrer da vida de cada um.    

Listamos aqui as orientações dos especialistas para carga horária de sono ideal de acordo com a faixa de idade de cada indivíduo.

BEBÊS:

A vida de um bebê é bastante monótona, basicamente as preocupações de uma pessoa nessa idade se resume a comer e dormir. No geral, uma bebê recém-nascido, vai procurar o sono por si só, mas cabe aos pais encontrar forma de auxiliar para que o bebê durma da forma mais confortável e saudável possível. 

O ideal é que recém-nascidos, com até três meses de idade, durmam de 11 a 17 horas por dia. Pode parecer muito, mas dormir pouco nessa idade pode trazer malefícios a saúde do bebê, sem falar na choradeira que só uma criança com sono é capaz de fazer.

Como é necessário manter um horário específico de sono, o recomendado é que seja entre 14 e 17 horas, ou 11 e 13 horas, tudo vai depender da rotina da criança. O importante é que não passe das 18 horas de sono, pois dormir demais pode ser tão prejudicial quanto dormir de menos, ou até mais.

Bebê mais velhos, com idades de 4 a 11 meses, já podem dormir um pouco menos, mas ainda assim o sono deve continuar sendo em grande quantidade.

O ideal, segundo os especialistas, é que o bebê desta idade tenha entre 11 a 15 horas de sono diariamente, podendo variar entre 12 e 15 horas, ou 11 e 13 horas, dependendo da rotina do bebê. Nessa idade, já não é recomendado um período superior a 16 horas de sono, muito menos 18 horas.

CRIANÇAS:

Quando alcançam uma determinada idade, as crianças começam a exercer determinadas atividades, como andar, correr, falar e interagir com o mundo que a rodeia de forma mais complexa. Com isso, o tempo de sono da criança vai diminuir, mesmo que a profundidade do sono seja maior, devido ao cansaço exigido por contas das novas atividades da vida da criança.

Crianças pequenas, com idade entre 1 e 2 anos, podem dormir uma média de 11 a 14 horas por noite. O tempo pode variar de uma criança para outra, mas o importante é que não seja menos 9 horas e nem mais do que 16 horas por noite.

Com idade entre 3 a 5 anos, a maioria das crianças começam a frequentar a pré-escola, que funciona como a primeira grande responsabilidade da vida de uma ser-humano. Nesse período o horário de sono recomendável sofre uma queda significativa, e pode variar de 7 a 13 horas por noite.

 Na idade escolar, que é de 6 a 13 anos de idade, as crianças já estão desenvolvidas o suficiente para começar a dar os primeiros passos rumo às responsabilidades de uma vida adulta. Nesse período a escola e os pais começam a exigir mais das crianças, fazendo com que o tempo fique mais escasso.

Nesse período da vida, o recomendável é que as crianças tenham de 9 a 11 horas de sono por noite.

ADOLESCENTES:

A fase da adolescência é o período da vida em que a pessoa deixa começa a desenvolver autonomia e a fazer suas próprias escolhas para o futuro.

Como a rotina de cada adolescente pode ser única, é difícil recomendar com precisão, mas especialistas recomenda que jovens de 14 a 17 anos durmam em média 10 horas por noite, de forma a não atrapalhar a rotina e nem trazer complicações para a saúde do jovem. 

ADULTOS:

É na fase adulta que a pessoa precisa começar a organizar sua rotina e suas responsabilidades de forma mais independente, mas sem deixar a saúde do sono de lado.

Enquanto ainda jovens, com 18 a 25 anos de idade, as pessoas não devem dormir menos de 6 horas por noite e nem mais do que 10 horas. O ideal seria entre 7 e 9 horas de sono por noite.

Esse horário deve continuar quando a pessoa chega aos 26, mas é muito difícil para algumas pessoas conciliar o trabalho e as atividades diárias com o mínimo de 7 horas de sono por noite.

IDOSOS:

Apesar de muitos idosos terem uma vida mais pacata, os especialistas não recomendam que o possível tempo livre seja aplicado com o sono, pois isso pode trazer problema à saúde do idoso.

O tempo de sono ideal para pessoas com 65 anos de idade ou mais pode variar de 7 a 8 horas de sono por noite.

Orientações como essas podem variar de acordo com as recomendações específicas para saúde de cada pessoa. Por isso, para melhor entender o funcionamento do seu corpo na hora de dormir, é necessário a consulta com algum especialista da área, que podem apresentar recomendações distintas.

Contudo, o que todos os especialistas concordam, é que o item primordial para uma boa noite de sono, é um bom colchão.

Para ajudar a encontrar o melhor colchão para sua forma de dormir, acesse o nosso catálogo e confira nossas promoções.

Existem tarefas que realizamos por prazer, enquanto outras realizamos por necessidade, mas poucas tarefas conseguem se enquadrar nas duas situações como o sono. Entretanto, muitas pessoas não conseguem fazer do sono um prazer, e simplesmente dormem porque necessitam. 

O sono forçado é uma das consequências de uma vida corrida e atarefada, fruto de um pensamento de que os seres-humanos podem ser multitarefa. Forçar fazer várias coisas ao mesmo tempo e não focar em um objetivo por vez pode trazer complicações para saúde física e mental do indivíduo, principalmente quando a pessoa não reserva parte do seu tempo para o devido descanso e para um sono adequado.

Existem muitas técnicas que podem ajudar a dormir melhor. Umas delas é a meditação, que diferente do que muitas pessoas acreditam, pode ser realizado por qualquer um que tenha interesse em silenciar a mente, desligar-se dos estímulos externos e sair do piloto automático, estados que afetam diretamente a qualidade do sono.

A meditação funciona como uma ferramenta para desconectar a pessoa com todo o tipo de estímulo exterior que pode vir a atrapalhar uma boa noite de sono, mas para se desligar do mundo exterior, é necessário uma série de mini-exercícios, e também ter a noção que a meditação é uma prática que precisa ser exercitada diariamente, sempre com foco e disciplina, como qualquer atividade física. 

Para começar a meditação pré-sono, a pessoa deve se sentar na cama, com as costas eretas e fazer uma breve análise do seu dia, relembrando o prazer de todas as coisas boas e o aprendizado conquistado através das coisas ruins, de forma a buscar a paz e o conforto através da aceitação das coisas como elas são. Isso também ajuda a recarregar as energias para o próximo dia.

O próximo passo está na escuridão. Apague todas as luzes, incluindo de equipamentos eletrônicos, dessa forma, você estará excluindo todas as possíveis distrações visuais e sonoras do ambiente. Outra dica muito importante é fechar os olhos e emitir sons e palavras que não existem, de forma repetitiva. O hábito de “falar em línguas” é uma prática muito comum em igrejas, isso ajuda a penetrar no seu inconsciente, o que afeta diretamente o sono, de forma que nas igrejas é muito comum ver pessoas que realizam essa prática simplesmente caindo no sono repentinamente, em estado de repouso profundo. É válido lembrar que não se deve pronunciar palavras conhecidas, em qualquer idioma que seja, pois palavras reais trazem um significado, e pensar nesses significados pode atrapalhar as técnicas de concentração. 

A respiração é muito importante, concentre-se em um ponto de respiração específico abaixo do nariz, expire e inspire consecutivamente de forma calma, e tente não dialogar com seus pensamentos. O uso de música suave também pode ajudar. 

O tempo de meditação pode variar, o ideal seria entre 15 e 20 minutos, mas para quem estiver iniciando, pode começar com cinco minutinhos. Após esse tempo de exercício é só deitar e ter uma ótima e merecida noite de sono.

A meditação é só mais uma ferramenta que pode contribuir para uma boa noite de sono, mas existem algumas outras dicas, como por exemplo, a alimentação, já que especialistas afirmam que o ideal é se alimentar pelo menos quatro horas antes de dormir. Em caso de ingestão de bebida alcoólica, o ideal é se espere pelo menos seis horas antes de dormir.

 

Contudo, de nada adianta meditação e outras dicas se a pessoa não tiver um colchão confortável para dormir e relaxar. A linha de colchões da Portobel oferece as melhores opções para o seu sono. Conheça nossos produtos e encontre o colchão ideal para você.